Linux

Análise: Linux Mint para PCs antigos – é bom como dizem?

32 views
1 Comentário
5
(2)

O Linux Mint é uma das distribuições baseadas no Ubuntu e Debian mais conhecidas da atualidade. A versão Desktop Cinnamon do sistema é a mais utilizada, embora não a única, e traz uma gama de recursos que faz aquele seu PC ou Notebook mais antigo ganhar vida. Neste artigo traremos uma análise se o Mint PCs antigos é bom como dizem.

Bom comparado a que?

A primeira coisa que precisamos definir é nossa linha de base e análise. Bom para mim não necessariamente será bom para você. Aqui é importante definirmos alguns critérios do por que recomendo Linux Mint em seu equipamento defasado. Alguns pilares:

  • Desempenho
  • Segurança
  • Compatibilidade com softwares
  • Preço

Definido os pontos que destacaremos. Vamos ao detalhe de cada um deles:

Desempenho

O equipamento que usei como base para esta análise foram 2: Um Notebook i5 de 1ª geração, com 4GB RAM e HD de 512GB e um Desktop com Pentium D, 2GB DDR2, HD 5400RPM.

Eu testei o Windows 10 nos dois equipamentos citados acima. Em ambos os casos, o Windows 10 se tornou inusável. O número de processos rodando em background, além das atualizações tornam o disco e a RAM quase que o tempo todo com 100% de utilização. Me pegava esperando vários minutos esperando o consumo baixar para eu usar o sistema, e ao abrir qualquer navegador, o sistema novamente alcançava os 100%, tornando inviável a utilização do dia-a-dia.

Já com o Linux Mint, mesmo com Cinnamon, o sistema responde bem, sem o uso exagerado de aplicativos e serviços em segundo plano. Contudo é importante frisar: Navegadores de internet são grades vilões de RAM em ambos os sistemas; bastam algumas páginas abertas para que se note toda a memória ser consumida em sua totalidade pelo SO.

Vale ressaltar que o XFCE é ainda mais leve que Cinnamon, vale a pena testar

Desempenho do sistema com poucas janelas e browser abertos

Colocando sistemas Windows mais antigos como o Windows XP, o desempenho era melhorado, mas caímos na próxima seção: Segurança

Segurança

Segurança de suas informações não é mais um assunto de nicho, onde apenas os que trabalham com TI ou que possuem grandes quantias financeiras devem se preocupar com isso. Atualmente, independente de nosso poder aquisitivo somos obrigados a pensar na segurança de nossas informações.

Pensando nisso, aqui vem mais um ponto de suma importância: Segurança do Sistema Operacional. Em equipamentos mais antigos, muitas vezes mantemos SOs defasados, que eram atuais na época em que o hardware foi adquirido, e isto pode ser um erro que lhe custe caro. Sistema operacionais como Windows XP, Vista e 7 foram descontinuados pela Microsoft e com isso, novas brechas descobertas não serão corrigidas, fazendo que sistemas obsoletos se tornem ainda mais inseguros e não confiáveis de utilização.

Analisando por esta ótica, faz todo sentido colocarmos um SO novo, cujo requerimento de hardware seja mínimo, em um equipamento que não consiga lidar bem com Windows modernos. Estamos abordando aqui o Linux Mint para PCs antigos, mas há diversos outros SOs como Endless OS, Ubuntu e outros.

Linux com foco em hardwares modestos como Mint com XFCE ou Lite Linux não deixam de atualizar correções de segurança e vulnerabilidades, com isso podemos ter um sistema mais estável e confiável por muito mais tempo.

Compatibilidade com Softwares

Aqui está um ponto em que você deve parar para analisar: Quais softwares você utiliza no dia a dia? A reposta a esta pergunta vai impactar diretamente em sua escolha para usar Linux Mint, Endless OS ou qualquer outro Linux. Embora já tenhamos uma base grande de aplicativos compatíveis, a verdade é que ela ainda esta longe de ser tão vasta como o Windows.

Antes de migrar, é importante pensar um pouco sobre quais softwares serão necessários e se há versões ou alternativas satisfatórias para Linux. E isto é algo que recomendo que você analise, afim de evitar surpresas indesejadas em sua migração.

Usando como meu exemplo: Microsoft Office tem alternativas interessantes como LibreOffice e OnlyOffice, e o Microsoft Office Online, mas pra tarefas que exigem mais do que o simples, talvez seja necessário o Windows

Outro exemplo é Evernote, que não possui versão para Linux e com Wine não obtive êxito, mas a versão Web possui praticamente os mesmos recursos, então usando o WebApps, tudo funcionou muito bem.

Preço

O melhor de tudo sem dúvida é o preço. Como a grande maioria dos aplicativos e o próprio SO, o Mint é grátis e todos os Apps que instalei também, isto se torna uma ótima alternativa a usar um Windows com crack, serial, etc..

Prós e Contras

Com os pontos que me chamaram a atenção citados, vamos a um resumo de prós e contras do Linux Mint para PCs antigos:

PrósContras
– Consome menos recursos que o Windows 10
– Altamente personalizável
– Web Apps é uma ótima forma de usar a versão Web dos Apps
– A leitura de disco é consideravelmente menor que o Windows
– É a melhor forma de continuar tendo um SO seguro em hardwares inferiores
– Não possui versões oficiais do One Drive e Google Drive
– Não possui Microsoft Office de forma nativa

Screnshot do Mint Cinnamon

Download

Download Linux Mint

Conclusão

Se você possui aquele equipamento que está pensando descartar ou deixar para seu filho(a), sem dúvida o Linux Mint para PCs antigos é uma excelente opção.

O que você achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Ajude o site a crescer compartilhando o conteúdo

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Tags: , ,

Artigos Relacionados

1 Comentário. Deixe novo

  • Reinaldo Domingues da Costa
    29/08/2021 9:06 PM

    É relativamente simples instalar o Microsoft Office usando o playonlinux. Já precisei fazer isso no trabalho. Embora não conte com cliente oficial do Google Drive e One Drive, há o Insync (serviço pago) e tb é possível, usando o recurso de contas onilne, habilitar o google drive como uma partição “montada”

    Responder

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário

Veja também

Menu